A necessidade de participação dos jovens no processo eleitoral brasileiro

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema A NECESSIDADE DE PARTICIPAÇÃO DOS JOVENS NO PROCESSO ELEITORAL BRASILEIRO, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Voto consciente

O direito ao voto representa uma grande conquista, adquirida pela luta de várias gerações de brasileiros e que precisa ser continuamente valorizado. O voto é a forma pela qual todo cidadão pode escolher quem o representará na elaboração de leis e na aplicação do dinheiro público, para melhoria do país, dos estados e dos municípios. Por isso, é necessário que os cidadãos estejam
conscientes de que a escolha exercida nas eleições influencia a vida de todos.

Ao votar, é preciso considerar o passado pessoal, político e partidário do candidato, assim como suas propostas e ideias. Além disso, o cidadão deve manter-se bem informado sobre os candidatos que já desempenhavam mandato eletivo e os que se apresentam para disputar um cargo pela primeira vez.

Confira outras orientações importantes para votar de forma consciente:
– O eleitor deve informar-se sobre os principais problemas de sua comunidade, para escolher o candidato que poderá efetivamente contribuir para melhorias na educação, saúde, segurança pública, economia, transporte, emprego, entre outras áreas. Deve também valorizar os candidatos com propostas que contemplem as demandas da população.
– O eleitor pode informar-se sobre as ideias do partido político ao qual o candidato está vinculado, com o objetivo de verificar se concorda com as propostas, já que o candidato deve ser fiel ao que prevê o plano do partido político.
– O horário eleitoral gratuito é uma das formas de conhecer e acompanhar as propostas dos candidatos e de conferir se as soluções
apresentadas para os problemas da população são atribuições do cargo a que o candidato concorre.
– É importante acompanhar o noticiário e consultar o histórico dos candidatos para verificar se estão envolvidos em denúncias de corrupção.
– Mensagens genéricas com promessas de mudanças não merecem credibilidade se não estiverem acompanhadas de ações concretas, bem explicadas e fundamentadas pelos candidatos.
– O eleitor não deve escolher um candidato por aparência física, sobrenome ou popularidade.
– Acompanhar a prestação de contas dos que já ocupavam cargos públicos por meio dos portais da transparência também pode contribuir para o voto consciente.

 

Fonte: http://site.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3220

 

TEXTO II

Em live sobre jovens na política, Barroso e convidados discutem a importância da educação e da pluralidade de ideias

A live “+Jovens na Política”, a terceira da série “Diálogos Democráticos”, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi veiculada nesta sexta-feira (31), pelas redes sociais e pelo canal do Tribunal no YouTube. Mediado pelo presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, o debate on-line contou com a participação do rapper Projota, da deputada federal Tabata Amaral e do filósofo Luiz Felipe Pondé.

Logo no início do evento, Luís Roberto Barroso destacou que pesquisas vêm indicando um maior interesse dos jovens pelo debate público e pela política. Ele perguntou aos debatedores o que, na opinião deles, afasta ou aproxima os jovens da política. A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) explicou que os jovens nas periferias das grandes cidades vivem afastados do debate político.

Além disso, de acordo com ela, nem nas escolas os jovens costumam encontrar incentivos para desenvolverem uma consciência cívico-política ou exercitarem o debate. Dessa forma, a educação, segundo a parlamentar, tem um papel primordial para a formação política dos jovens.

O filósofo Luiz Felipe Pondé, por sua vez, apontou que o problema não é exclusivamente brasileiro e pode ser entendido como uma questão da geração. Para ele, além da descrença na representação, há certa incompreensão da democracia, o que explicaria a adesão de alguns jovens a discursos antidemocráticos, sobretudo na internet.

Pondé destacou que os jovens têm encontrado problemas para entender e se situar diante das complexidades do mundo atual, muitas vezes buscando abrigo em discursos extremistas e excludentes que acolham as suas crenças, não abrindo espaço para o diálogo. “Eu acredito que a política hoje, quando ela sofre da polarização, faz muito barulho mas empobrece a semântica da compreensão da realidade, porque a realidade fica o tempo todo: ‘Ou você é A, ou você é B, ou você é anti-A, ou você é anti-B’”, afirmou.

Já na opinião do rapper Projota, “a política é o que afasta o jovem da política”. Ele explicou que os jovens de hoje, em especial os da periferia, estão mais preocupados com o seu emprego, a sua sobrevivência e a segurança de sua família do que com a política. “O jovem pensa que tem superpoderes e que não tem que pensar em política agora. Ele primeiro vai pensar nos sonhos que ele tem e, quando ele buscar esses sonhos e não conseguir alcançá-los, aí talvez ele perceba que foi por causa da política”, disse.

 

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral

 

TEXTO III

Você pode gostar de

Deixe um comentário