Redes sociais e a nova era da comunicação

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema Redes sociais e a nova era da comunicação apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO
•    O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
•    O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em ate 30 linhas.
•    A redação que apresentar copia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.
Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que:
•    Tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo considerada “texto insuficiente”.
•    Fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo.
•    Apresentar parte do texto deliberadamente desconectada do tema proposto.

 

TEXTO I

O mundo está conectado em tempo integral. As fronteiras físicas não impedem a comunicação entre países, o que favorece as relações pessoais e profissionais. A WEB, que significa em português teia ou rede, passou a ter um novo significado com a Internet, uma vez que formou uma rede mundial tornando possível a conexão entre computadores do mundo todo. A WEB é um sistema de informações denominado hipermídia, que permite a comunicação em forma de textos, vídeos, som e animações digitais, que tornam o conhecimento acessível a todos. O que torna isso possível é a ligação da Internet com um navegador, entre eles o Google Chrome, o Safari, o Mozilla Firefox, Internet Explorer etc.

Conforme sinalizou o pesquisador Canadense Marshall Macluhan, que viveu no início do século vinte, o mundo se tornaria numa aldeia global. Isto hoje é uma realidade tornando a comunicação móvel, instantânea o que permite trocas a nível mundial. Com isso surgiram as redes sociais, que se tornaram indispensáveis para as comunicações interpessoais, permitindo aproximação entre pessoas conhecidas e abrindo possibilidades de novos relacionamentos, que permitem satisfação pessoal e a concretização de negócios.

Milhões de pessoas utilizam as redes sociais para diferentes propósitos. Empresas descobriram um caminho para comunicar suas ações, abrindo um canal que permite um contato direto, o que gera novas possibilidades, principalmente para melhorar seus produtos e serviços, uma vez que as pessoas se sentem a vontade para dizerem o que pensam. Também é possível a reaproximação de pessoas, que perderam o contato ao longo do tempo. Como não há distancia, que não seja vencida pela rede, é comum receber um chamado de pessoas que vivem em outros países, estados ou cidades, o que gera alegria e satisfação pelo reencontro.

 

Texto ADAPTADO. Disponível em: http://www.viveresaber.com.br/vs/index.php/conhecimento/638-as-redes-sociais-e-sua-importancia-para-a-comunicacao-

 

TEXTO II

As redes sociais ampliaram a voz dos atores sociais e possibilitaram a comunicação e a difusão internacional de mensagens acessíveis a quem detenha boa informação, independente do seu poder econômico. Essa nova conjuntura indica que princípios de uma comunicação inclusiva estabelecidos pela chamada Nova Ordem Mundial de Informação e Comunicação (NOMIC), nos anos 1980, estão a se realizar, segundo a jornalista Clara Pugnaloni. Em sua pesquisa de pós-doutorado na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, ela aborda o reflexo das redes sociais na cobertura jornalística de agências de notícias internacionais, e no trabalho de Organizações Não Governamentais (ONGs) voltadas à defesa dos direitos humanos.

A pesquisadora entrevistou, na França, o dirigente da ONG Human Rights Watch (HRW) e o diretor-presidente do JornalLe Monde Diplomatique, Ignacy Ramonet, além de representantes da Agência Italiana de Notícias (ANSA) e da agência de notícias Reuters. Eles abordaram os desdobramentos da cobertura jornalística sob o foco da Mass Self Communication (Autocomunicação de Massa), evidenciada internacionalmente a partir da chamada Primavera Árabe, quando eclodiram, em 2011, protestos, rebeliões e revoltas populares contra governos de países do Oriente Médio e do norte da África.

Segundo a jornalista, para o diretor da HRW, as redes sociais facilitaram a defesa de populações em risco. Jean Marie Fardeau destacou que a rapidez com que, atualmente, se denuncia ataques ou desrespeito aos direitos humanos resulta em maior pressão da comunidade internacional. E, consequentemente, ação mais rápida por parte dos governos envolvidos. Porém, a mesma facilidade que a disseminação da informação trouxe para as organizações internacionais e ONGs, incorporou novas dificuldades.

“Existem, hoje, grupos que enviam falsas informações, como imagens de antigos de conflitos, pretendendo divulgá-las como de eventos atuais. O que exige da HRW constante monitoramento para não ser usada politicamente por grupos que manuseiam muito bem essa forma de se comunicar”, relata Clara.

Os correspondentes das agências de notícias ANSA e Reuters afirmaram à pesquisadora que uma permanente consulta às redes sociais na cobertura jornalística permite verificar indícios e sinais a serem checados. A confirmação de informações e difusão de forma imediata pelas mídias sociais é percebida pelos correspondentes como uma aproximação aos princípios da NOMIC de Direito à Informação e de Democratização da Mídia. O que, para os jornalistas, ocorreu nas rebeliões internacionais no norte da África e Oriente Médio e, posteriormente, nas manifestações, em 2012, que tomaram de surpresa no Brasil até a mídia convencional.

 

Texto ADAPTADO. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/midias-sociais-potencializam-comunicacao-para-o-desenvolvimento-afirma-estudo/

 

TEXTO III

Você pode gostar de

Deixe um comentário