Samba e a cultura de resistência

Uma das principais marcas do Carnaval brasileiro é sem dúvida nenhuma o samba. O ritmo que faz parte da cultura popular brasileira nos ensina muito mais do que apenas um estilo musical. A trajetória e raízes do ritmo dizem muito sobre a resistência da cultura de camadas subalternas urbanas brasileiras.

O samba ganha formas na Bahia. A mistura de batuques de escravizados com ritmos indígenas gerou um novo gênero musical que não era bem vistos pelas elites escravistas do século XIX. Na virada para o século XX, já em contexto de pós-abolição, a tradição do estilo musical viaja para a capital do país, Rio de Janeiro, e vira marca cultural dos cortiços urbanos da cidade.

A figura de Tia Ciata sintetiza muito bem a história do samba. Considerada uma das mães do gênero musical, Tia Ciata nasce na Bahia e migra para o Rio de Janeiro já adulta. Iniciada no Candomblé, ela era uma das responsáveis pela sobrevivência do samba. Marcava rodas com amigos para dançar e comemorar, muitas vezes reprimidas pelo poder de polícia republicano.

A prática de ir para a casa da mãe de santo Tia Ciata, pedir benção aos orixás e depois terminar o dia em uma roda de samba virava uma rotina bem simbólica da resistência cultural das camadas mais marginalizadas do projeto republicano que se impunha aos populares. Foi a partir dessas reuniões entre amigos que o primeiro samba gravado da história surgiu: Pelo Telefone (1916).

O samba era uma via de comunicação com as culturas de origem africana. A partir de então, por vezes mais marginalizado, por vezes menos, o ritmo continuou conquistando novos gingados. No entanto, nunca deixou de ser uma marca da resistência popular brasileira.

Ainda hoje em dia, conseguimos escutar diversos sambas atuais que ressaltam esse perfil de resistência cultural. Ao se tornar marca da maior festa brasileira, o Carnaval, o samba por mais que tenha ganhado novas dimensões, não abandonou suas raízes populares: a dos batuques!

Como essa temática pode ser utilizada na redação?

  • Você pode mostrar na sua redação como que manifestações populares, como o caso do samba, contribuem para uma reafirmação cultural de camadas subalternas. É através do samba, por exemplo, que pessoas conseguem desenvolver certas identificações culturais, até mesmo de pertencimento à nação.
  • Além disso, o samba é um ótimo instrumento para você trabalhar noções envolvendo preconceito religioso étnico e racial, já que sua origem remete aos batuques africanos e que hoje é disseminado como uma das marcas culturais do Brasil. Assim, você pode fundamentar uma argumentação que mostre a importância de manifestações africanas na construção de uma cultura nacional.

Você pode gostar de

Deixe um comentário